Sobre os Livros
Livro: A BÍBLIA E AS COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS

A Bíblia e as Competências Comportamentais – a influência da espiritualidade cristã sobre o comportamento humano, é uma obra que alia o conhecimento científico aos princípios e valores do cristianismo para o conhecimento e desenvolvimento de comportamentos competentes e desejáveis.

Esta obra foi pensada a partir da necessidade de discutir de maneira coesa, aspectos relacionados às características que definem a pessoa que somos; a inteligência emocional e suas áreas de habilidades e de que forma agem sobre o comportamento dos indivíduos; como também a influência da espiritualidade na construção de crenças e valores, buscando entender de que maneira a ação conjunta destes aspectos, atuam para definir o que seja um comportamento competente.

A pesquisa para a elaboração deste material foi feita a partir de autores consagrados, os quais contribuíram efetivamente para a construção de conhecimento a respeito do tema. A Bíblia Sagrada, utilizada principalmente na segunda parte deste livro, constituiu-se em fonte de pesquisa e inspiração para as análises, analogias e aplicações, visando demonstrar o modo como a espiritualidade nela fundamentada, contribui para a construção das competências comportamentais mais apreciáveis.

Este livro não tem como foco discussões teológicas ou doutrinárias. A opção pela influência da espiritualidade cristã como aspecto a ser considerado sobre o comportamento humano, se deve ao fato do autor ser cristão professo há mais de quarenta e cinco anos, o que lhe proporcionou experiências significativas em termos da sua própria construção como pessoa. Também, sua disposição e dedicação em especializar-se na gestão de pessoas, a qual envolve entre outros aspectos conhecimentos aprofundados em termos de comportamento humano.
Livro: A BÍBLIA E A ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

Trata-se de um tema e de um objetivo pensado para atender um dos aspectos mais recorrentes da vida em sociedade: as relações interpessoais. Ao tratar sobre conflitos, visa despertar o interesse em compreender melhor os diversos fatores que geram embates, disputas, desentendimentos e acirradas competições nas relações entre as pessoas.

As abordagens, feitas a partir de cases bíblicos, buscam provocar a reflexão sobre os temas cotidianos que envolvem diferentes formas e motivos de conflitos. Evidentemente, não é possível esgotar em um único livro um assunto tão relevante como este. O objetivo é criar condições de análises, analogias e aplicações dos tópicos abordados proporcionando uma leitura reflexiva e construtiva.

Tipo de conflitos abordados:

Conflito de interesse
: Uma discussão a partir da narrativa do conflito vivido pelos personagens da história do Jardim do Éden.

Conflito de valores: Quando os valores individuais não comungam com o ambiente em que a pessoa está inserida, a conflito é inevitável.

Conflito: frustração de expectativas: Nos decepcionamos com as pessoas ou com a imagem que fazemos das pessoas?

Conflito social: racismo e preconceito religioso: O modo como encaramos as diferenças determinam as decisões que tomamos sobre nossos relacionamentos.

Conflito familiar: A família ou o dinheiro em primeiro lugar?

Conflito por falhas na comunicação: a principal causa de conflito em qualquer organização do mundo, desde o núcleo familiar, passando pelo mundo corporativo, até às instituições religiosas.

Conflito: regra não obedecida: quem imagina que pode fazer suas próprias regras sempre que quiser, está redondamente enganado.

Conflito com opositores declarados: você pode ter uma excelente ideia, a melhor das boas intenções e um altruísmo verdadeiro, porém isto não te tornará imune ao ciúme, inveja e até mesmo ao ódio das pessoas.
Livro: A BÍBLIA E A GESTÃO DE PESSOAS

O livro traz, em dez capítulos, uma abordagem inovadora no que diz respeito à gestão de pessoas. Utilizando-se de cases bíblicos, sem ter a pretensão de tratar de teologia ou de doutrina, o professor Paulo Roberto que possui especialização em gestão Estratégica de Pessoas, aplica as diversas ferramentas de RH, como por exemplo, seleção de pessoal, avaliação de desempenho, clima organizacional e outros, sob uma perspectiva de valores comportamentais, os quais segundo ele constituem o foco principal da Bíblia Sagrada. Seu objetivo com o livro é atender a uma demanda do mercado de trabalho, que exige dos colaboradores das empresas mais do que conhecimento técnico, exige, também, competências humanas desenvolvidas.

Desenvolvimento pessoal: Com analogias e aplicações feitas a partir do livro de Provérbios, o autor aborda princípios e valores universalmente tidos como desejáveis. Aspectos éticos que tratam, por exemplo, de honestidade, retidão, justiça e outros, são comentados de forma contemporânea, visando promover a reflexão e compromisso com ideais elevados.

Competência: Valendo-se da experiência vivida pelo profeta e administrador público Daniel, o autor analisa e demonstra de forma prática a importância das diversas competências para o sucesso pessoal e profissional. Conhecimento, habilidade e atitude constituem o tripé para a formação de uma competência; aspectos encontrados no personagem didático desta abordagem.

Seleção de pessoal: Com base em duas cartas escritas pelo apóstolo Paulo, importante líder da igreja cristã primitiva, onde ele descreve o perfil ideal das lideranças que deveriam atuar na igreja em formação, o autor explicita a necessidade de elaborar um ótimo processo seletivo, a fim de evitar dissabores na organização.

Avaliação de desempenho: Entendendo o colaborador como um ramo ligado ao tronco central, no caso a organização com sua missão e visão, o autor busca em um dos últimos discursos de Cristo a seus discípulos, a inspiração para provar que todos são avaliados em todo o tempo, quer seja formalmente ou informalmente.

Relações interpessoais: Inclusão, controle e afeto são os aspectos abordados neste capítulo. Utilizando-se de mais de um texto bíblico para esta analise, o autor destaca a necessidade de promover condições para melhorar as relações humanas no ambiente de trabalho. Partindo do princípio que as relações interpessoais acontecem desde o momento em que a pessoa nasce, deve-se investir para que estas sejam saudáveis e, especificamente na empresa, gerem resultados positivos.

Administração de conflitos: Apesar de serem inevitáveis devem sempre ser tratados. Com bom gerenciamento os conflitos podem ser reduzidos a patamares toleráveis. Neste capítulo o autor aborda o conflito e suas naturezas. Demonstra que este pode ser negativo, quando se prende a questões de personalidade, mas pode ser positivo quando se debate ideias. Conflitos interpessoais e intrapessoais são analisados neste capítulo.

Resiliência: Aqui o autor faz uma reflexão pedagógica quanto à capacidade de se transformar adversidades em aprendizagem. O debate gira em torno do quanto uma pessoa poder ser submetida à pressão sem entrar em surto psicológico. O personagem didático desta abordagem é José, filho preferido do patriarca Jacó que foi vendido como escravo por seus irmãos. Após uma longa trajetória multicultural tornou num grande estadista.

Clima Organizacional: Aspecto que se reveste de grande importância no âmbito corporativo, o clima organizacional precisa ser trabalhado pelos gestores. Com analogias feitas a partir do excelente ambiente de convivência da igreja cristã do primeiro século, o autor propõe medidas de atuação que proporcionem um clima organizacional que promova a produtividade.

Delegação de autoridade: História clássica abordada nos cursos de administração de empresas, o episódio em que o líder hebreu Moisés recebe conselhos de seu sogro, no que diz respeito à divisão do trabalho, é tratado neste capítulo. Delegação de autoridade, ou conforme aborda o autor, a distribuição de uma medida de poder entre os colaboradores, a fim de gerar agilidade nas decisões e promover o desenvolvimento dos colaboradores, é um assunto do dia-a-dia das organizações.

Liderança: Competência procurada por gestores de pessoas nos grupos que atuam nas empresas, liderança é um tema recorrente. Bons líderes constroem boas organizações. Tendo por base o extraordinário trabalho desenvolvido pelo rei israelita Ezequias, o autor destaca sete ações indispensáveis de um bom líder.