Arquivo mensais:janeiro 2016

LIVRO NOVO

Caros visitantes do site, é com com satisfação que comunico a conclusão de meu terceiro livro. Espero publicá-lo ainda este ano. Diferente dos dois primeiros, que são técnicos, este novo livro é uma ficção baseada em fatos reais. Muita aventura, drama, espiritualidade e romance, fazem parte da história. O título provisório é O JOVEM MENSAGEIRO.

Aguardem! Em breve mais informações!

PROFISSÕES PORTÁTEIS

Competências comportamentais

Definitivamente estamos vivendo uma mudança “nunca antes vista na história deste país”. O conceito de profissão, carreira, competências e outros termos afins, passa por um amplo processo de ajuste, que mexe com todas as áreas relacionadas ao tema.

A cada ano surgem novas profissões no mercado de trabalho e isto em função, principalmente dos avanços gerados pela evolução tecnológica. A geração baby boomers e a geração X nasceram num contexto em que as profissões eram estanques, ou seja, não sofriam mudanças significativas. Bastava escolher uma das opções da época que ela se constituiria na atividade profissional do indivíduo e o acompanharia por toda a vida.

Sem dúvida, o mercado de profissões ganhou nova cara, novo tipo, novo layout, ou como se fala hoje, nova configuração. O que se espera de um profissional do século XXI? Duas coisas distintas que parecem se contradizer, porém se completam na medida em que o sujeito consegue conciliá-las em seu perfil profissional. E o que isto quer dizer? Quer dizer que ao mesmo tempo em que o trabalhador deve se especializar em uma determinada área, desenvolvendo-a com grande capacidade de inovação, deve, também, ser multifuncional, ou seja, capaz de assumir diversas funções na organização, estar preparado para mudanças, pensar coletivamente, possuir múltiplas competências, ser criativo e gerar resultados.

A expectativa que o mercado de trabalho tem é que o colaborador possua competências profissionais, as quais ele possa levar para qualquer organização – é o que a literatura especializada classifica como profissões portáteis. Esta expectativa aponta para uma realidade cada vez mais presente: não é de bom tom ficar muito tempo numa mesma empresa fazendo a mesma coisa o tempo todo. Faz alguns anos que uma pesquisa constatou que o trabalhador permanecerá no máximo 5 anos no mesmo local de trabalho.

Segundo um conceituado consultor as profissões são classificadas em três categorias, quais sejam: Commodities: Estas são as que o profissional pode desenvolver em qualquer organização, como por exemplo: utilização de softwares como word, excel e outros; elaboração de relatórios, arquivamento de documentos e etc., há também as competências comportamentais que são aplicáveis a qualquer ambiente, como capacidade de bom relacionamento interpessoal, pró atividade, honestidade, justiça e outros. Outra categoria é a que ele chama de Alavancadas: Nelas se incluem as atividades que também podem ser desenvolvidas em qualquer empresa, porém para algumas ela é essencial, por exemplo: se a pessoa trabalha numa empresa que fábrica e comercializa produtos de informática, saber utilizar softwares deixa de ser apenas uma commoditie e passa a ser alavancada. Na terceira categoria ele cita a Proprietária. Desta fazem parte as atividades profissionais que são aproveitadas exclusivamente em determinado tipo de empresa, por exemplo, um bioquímico que trabalha na fabricação de medicamentos, terá como campo de trabalho organizações do ramo de laboratórios. Suas competências não terão aplicação em outro tipo de empresa.

Além das categorias citadas acima, surge a portátil, formada pelos conhecimentos, habilidades e atitudes que acompanharão o profissional em toda e qualquer empresa em que ele trabalha. Nesta categoria pode ser incluída a capacidade de desenvolver multitarefas. Não significa ser bom em tudo, significa estar disposto aprender novas competências e desenvolvê-las da melhor maneira que puder. Como já foi dito, conhecimento é um patrimônio que não possui limites de armazenamento e quanto mais se compartilha mais cresce. A habilidade portátil permite ao profissional atuar em diversas áreas da organização.

Pessoalmente, penso que as competências comportamentais devam fazer parte, sempre, das habilidades portáteis. Ser uma pessoa com grandes habilidades sociais é essencial para o desenvolvimento com êxito das competências técnicas.

 

Paulo Roberto de Araujo – Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas

Site: www.abibliaeagestaodepessoas.com.br